Click here for Myspace Layouts

Translate

Pesquisa personalizada

terça-feira, 31 de março de 2009

Martha Rogers -Teoria do modelo conceitual do Homem





Ela nasceu em Dallas, Texas, o mais velho dos quatro filhos de Bruce Rogers Taylor e Lucy Mulholland Keener Rogers,Começou a faculdade na Universidade do Tennessee, estudando pré-med (1931-1933) e retirou devido à pressão que a medicina era uma carreira impróprias para uma mulher

O modelo teórico que lhe foram influenciados:

Teoria de los Sistemas. Teoria de sistemas.
Teoria física: Electrodinamismo. Física teoria: Eletrodinâmica.


O Papel da Enfermagem é definida como humanitária ciência e arte. Atividades destinadas a manutenção e promoção da saúde, prevenção das doenças e reabilitação dos doentes e deficientes. Isto irá falar sobre a totalidade do homem, meio ambiente e de grupo. Ela matriculados no Hospital Geral Knoxville Escola de enfermagem com um amigo e recebeu seu diploma em 1936 e no ano seguinte ela completou sua BS pelo George Peabody College, em Nashville, Tennessee.


Ela passou a especializar-se em enfermagem em saúde pública, trabalhando em Michigan, Connecticut, e do Arizona, onde ela estabeleceu o Visiting Nurse Service of Phoenix, Arizona.Ela continuou sua educação, recebendo um mestrado em enfermagem em saúde pública a partir de Teachers College, Universidade de Columbia em 1945, um MPH em 1952 e um Sc.D. in 1954, both from Johns Hopkins University . Entre 1952 e 1975 ela foi um professor e chefe da Divisão de Enfermagem na Universidade Nova York, depois que ela foi reconhecida como um Professor Emérito em 1979.


Ela morreu 13 Março, 1994 e está enterrado em Knoxville, Tennessee.


O objetivo do modelo: procurar e promover uma interacção harmoniosa entre o homem e o seu ambiente. Assim, os enfermeiros deveriam seguir este modelo de reforçar a sensibilização e da integridade dos seres humanos, e direcionar ou redirecionar o padrão de interação entre homem e seu ambiente para o máximo de saúde potencial. Considera o homem como um todo unificado que tem a sua própria integridade e que manifesta características que são mais do que a soma das suas partes e várias delas para ser integrado em um meio ambiente.Unitário e unidirecional Man" Rogers no que diz respeito à saúde, definido como um valor definido pela cultura do indivíduo e, portanto, seria um estado de "harmonia" ou bem-estar. Assim, o estado da saúde não pode ser ideal, mas é a melhor condição para uma pessoa, portanto, o potencial para o máximo de saúde é variável.


É baseada na sua concepção de homem. O seu modelo teórico foi baseado em um conjunto de pressupostos que descrevem os processos vitais do homem, que se caracteriza por:

Seja unitário

Ser aberto

Ser unidirecional

Seus padrões e organização

Sentimentos

Pensar


Para este autor, o homem é um todo unificado em constante contato com um ambiente de intercâmbio que continuamente matéria e energia, que é diferente de outros seres vivos para a sua capacidade de mudar este ambiente e fazer opções que lhes permitam desenvolver as suas potencial.


Além disso decorreu em 1983, quatro blocos em que ele desenvolveu a sua teoria:


a) Campo energia é caracterizada pelo infinito, unificador, e irredutível, e é a unidade fundamental para a vida como para os inertes.


b) universo de sistemas abertos: ela diz que a energia campos são abertos e intermináveis, mas integrados em cada outro.


c) Padrões: são responsáveis pela identificação das áreas de energia, são as particularidades de cada campo.


d) Tetradimensionalidad é um não-linear, sem domínio espacial ou temporal atributos, assim chamado porque todos realidade. O objetivo da enfermeira é ajudar as pessoas a atingir seu máximo potencial de saúde. Para fazer isto, o enfermeiro deve promover a interação harmoniosa entre o homem e o seu ambiente. Assistência de enfermagem é fornecida através de um processo planejado, que inclui a recolha de dados, o diagnóstico de enfermagem, estabelecimento de metas, a curto e longo prazo e de melhores cuidados de enfermagem para alcançá-los. Foi geralmente aceite que o modelo de enfermagem M. Rogers é eminentemente filosófica e encoraja enfermeiras para alargar o seu interesse em qualquer coisa que possa afetar o paciente como um ser humano.


O método utilizado por Rogers é essencialmente dedutiva, lógico, e que tenham claramente influenciado a teoria dos sistemas, a relatividade da eletrodinâmica e da teoria tem algumas idéias muito avançadas, e disse que a enfermagem requer uma nova perspectiva do sistema mundial nova forma de pensar sobre o que realmente focada está preocupado com a enfermagem (fenômeno de enfermagem).


Foco:Homem como um todo
Objetivo: Elaborar um sistema conceitual científico


. Apresenta conceitos sobre o homem, sobre a enfermagem como ciência e como prática

. Apresenta postulados para fundamentar o sistema teórico de enfermagem

. A preparação da teoria foi motivada por uma convicção profunda da necessidade de uma crítica da prática da enfermagem e de se estar fundamentada por conhecimentos efetivos para prover cuidados de enfermagem seguros



segunda-feira, 30 de março de 2009

Dorothea Elizabeth Orem - Teoria do Auto cuidado


Dorothea Elizabeth Orem (Baltimore, Maryland – EUA, 1914) é uma enfermeira e empresária estadounidense. Seu pai era trabalhador de construção civil e pescador; sua mãe dona de casa. Iniciou sua carreira profissional em enfermagem na Escola de Enfermagem do “Providence Hospital Washington – EUA”. Concluiu o curso de enfermagem em 1930 e o mestrado em enfermagem no ano de 1939 e o mestrado em ciências da educação em enfermagem em 1945, pela Universidade Católica da América. Recebeu vários títulos e graus honoríficos, inclusive o de Doutora em Enfermagem. Iniciou os estudos a respeito da sua teoria em 1958.

A teoria de Enfermagem de Orem foi desenvolvida entre 1959 a 1985. Baseia-se na premissa que os pacientes podem cuidar de si próprios. Primariamente usada em reabilitação e cuidados primários, onde o paciente é encorajado a ser independente o máximo possível. O modelo de Orem é baseado em que todos os pacientes desejam cuidar de si próprios.

Requisitos de autocuidado Requisitos de autocuidado

Requisitos de autocuidados são grupos de necessidades que Orem identificou. São classificados como:

Requisitos Universais - aqueles que todos têm
Requisitos de desenvolvimento de autocuidado - aqueles que relacionados com o desenvolvimento individual
Requisitos de desvio de saúde - aqueles resultantes de condições dos pacientes
Déficits de autocuidado


Quando um indivíduo é incapaz de cumprir seus requisitos de autocuidadso, um déficit ocorre. É o trabalho do Enfermeiro determinar esses déficits, e definir as modalidades de suporte.

A teoria do autocuidado ,engloba o autocuidado, a atividade de autocuidado e a exigência terapêutica de autocuidado. O autocuidado, é a prática de atividades iniciadas e executadas pelos indivíduos em seu próprio benefício para a manutenção da vida e do bem-estar. A atividade de autocuidado, constitui uma habilidade para engajar-se em autocuidado. A exigência terapêutica de autocuidado, constitui a totalidade de ações de autocuidado, através do uso de métodos válidos e conjuntos relacionados de operações e ações.

Para OREM (1980), o autocuidado é a prática de atividades que o indivíduo inicia e executa em seu próprio benefício, na manutenção da vida, da saúde e do bem estar. Tem como propósito, as ações, que, seguindo um modelo, contribui de maneira específica, na integridade,nas funções e no desenvolvimento humano.

Foco:Autocuidado

Homem: Indivíduo que utiliza o autocuidado para manter a vida e a saúde, recupera-se da doença e consegue enfrentar seus defeitos

Saúde: Resultado das práticas aprendidas pelos indivíduos para manter a vida e o bem- estar

Ambiente: Os elementos externos com os quais o homem interage em sua luta para manter o autocuidado

Enfermagem: Auxilia o indivíduo a maximizar, progressivamente, seu potencial para o autocuidado

domingo, 29 de março de 2009

Hildegard E. Peplau - Teoria das relações Interpessoais na Enfermagem





Hildegard Peplau, enfermeira, médica e educadora, nasceu em 1° de Setembro de 1909, em Reading, Pensylvania. Em sua infância, presenciou a devastadora epidemia de gripe em 1918. Esta experiência pessoal influiu enormemente sua compreensão do impacto que tem a Enfermagem e a morte sobre as famílias. Líder mundial em enfermagem, conhecida como a enfermeira do Século, morreu em 17 de Março de 1999, aos 89 anos, em Sherman Oaks, Califórnia. Peplau é a única enfermeira que prestou serviços a Associação de Enfermeiras Americanas ( ANA ), como diretora executiva, e mais tarde como presidenta. Também foi eleita para trabalhar durante dois períodos na Junta Diretiva do Conselho Internacional de Enfermeiras ( ICN ) Em 1997, recebeu a maior honra em enfermagem, o Prêmio Christiane Rumann, no Congresso Quadrienal da ICN.


Esta distinção se outorga a cada quatro anos por contribuições nacionais e internacionais sobressalentes em Enfermagem e cuidado a saúde. Um ano antes, a Academia Americana de Enfermagem lhe havia feito uma homenagem como Lenda vivente. Em 1998, a Associação de Enfermeiras Americanas a colocou no Salão da Fama da ANA. Contribuição para evolução da Enfermagem A teoria de enfermagem de Peplau, o processo interpessoal, fundamentam-se em teorias de interação. Sua contribuição, no campo da enfermagem, dá-se nas áreas da prática clínica, na teoria e na pesquisa, trazendo acréscimos à base de conhecimentos em enfermagem. Sua teoria, desta maneira, cria uma visão singular de compreensão da relação enfermeiro-paciente. Peplau é reconhecida mundialmente como a Mãe da Enfermagem Psiquiátrica. Seu trabalho teórico e técnico conduziu ao desenvolvimento de um campo distinto de especialização: Enfermagem Psiquiátrica.


O primeiro livro de Peplau, "As relações interpessoa's na enfermagem", foi terminado em 1948, porém só foi publicado quatro anos depois, pois naquele momento, foi considerado muito revolucionário que uma enfermeira publicasse um livro sem que um médico fosse co-autor. O livro de Peplau tem sido amplamente acreditado com a transformação da Enfermagem, que passou de um grupo de trabalhadoras experientes, para ser uma profissão com grande desenvolvimento. Desde a publicação do trabalho de Peplau, o processo interpessoal tem sido integrado a educação e a prática da enfermagem, nos Estados Unidos e no exterior. Por isto, o trabalho e a vida da doutora Peplau, produziram as maiores mudanças na prática da Enfermagem, depois de Florence Nightingale. Entre 1943 e 1945, Peplau sentou-se a mesa com muitos destes homens, para trabalhar na reestruturação do Sistema de Saúde Mental nos Estadas Unidos, de onde surgiu a Ata de Saúde Mental Nacional de 1946. Trabalhou como professora da Faculdade de Enfermagem de Rutgers, entre 1954 e 1974. Ali, criou o primeiro programa de pós-graduação, com preparação de especialidades clinicas em Enfermagem Psiquiátrica.


Em suas apresentações e conferências para treinamento clinico, peplau lutou vigorosamente para que as enfermeiras tivessem maior educação assim pudessem dar um verdadeiro cuidado terapêutico aos pacientes. Em 1952, a enfermeira, médica e educadora, Hildegard E. Peplau, escreveu um livro que revolucionou o ensino e a prática da enfermagem psiquiátrica nos Estados Unidos, tendo como enfoque o potencial terapêutico do relacionamento de pessoa para pessoa. Desde então, a enfermagem psiquiátrica vem ampliando sua visão utilizando os conceitos originalmente propostos por Render e Peplau.

O núcleo desta teoria é o processo interpessoal que consiste nas fases de orientação, identificação, exploração e resolução. Este processo é influenciado pelas percepções individuais do paciente e do enfermeiro.

É um processo de reabilitação, não se pode trabalhar com percepções individuais, mas interdisciplinares e familiares.

Foco: Relação interpessoal Enfermeiro/Cliente

Homem: Indivíduo que luta para reduzir a tensão gerada pelas necessidades

Saúde: É um símbolo que implica movimentos adiante da personalidade e outros processos humanos em curso, na direção de uma vida criativa, produtiva, pessoal e comunitária

Ambiente: Considera cultura e costumes do cliente no ambiente hospitalar

Enfermagem: Processo interpessoal, significativo e terapêutico, onde o enfermeiro é capaz de reconhecer a necessidade de ajudar o cliente a reagir a ela

quarta-feira, 25 de março de 2009

Myra Estrin Levine - Teoria Holística

Myra Estrin Levine 1920-1996. Caracteriza o homem como um todo dinâmico, em constante interação com o ambiente; além deste ponto, este modelo preocupa-se com o paciente que adentra em um estabelecimento de saúde necessitando de assistência, ou seja, com estado de saúde alterado. Essas mesmas características são encontradas no paciente cirúrgico.
Em seu modelo conceitual, Levine desenvolveu quatro princípios de conservação: de energia, da integridade estrutural, da integridade pessoal e da integridade social do paciente. O modelo conceitual de Levine centraliza-se na intervenção da enfermagem, na adaptação e na reação dos pacientes à doença.
Levine entende que o ser humano deve ser visto no todo, o que leva o indivíduo a um ser complexo que é dependente de sua relação com os outros, as dimensões dessa dependência está ligada com os quatro princípios de conservação, e que esta dependência existe em todas as passagens de sua existência, na sobrevivência; afirma também que o enfermeiro deve estar consciente dessa dependência e estar preparado para atuar na transformação que o estresse causado por algum desequilíbrio possa alterar o funcionamento do organismo humano. Levine acredita que o enfermeiro deve assumir a ajuda ao paciente para transformá-lo e auxiliá-lo na adaptação às mudanças oriundas da doença.

Levine entende enfermagem como uma disciplina, o atendimento de enfermagem é um processo no qual as intervenções estão baseadas na avaliação, utilização dos princípios de conservação, reconhecimento de mudanças comportamentais; está centrado em um método científico e promove cuidado integral.
A meta da enfermagem, segundo LEVINE (1973) é manter ou recuperar uma pessoa para um estado de saúde, através dos princípios de conservação. A conservação da energia que consiste no primeiro princípio, refere-se ao equilíbrio entre a energia de saída e a energia de entrada, com o propósito de evitar cansaço excessivo utilizando repouso, nutrição e exercícios adequados. A autora acrescenta que a habilidade do corpo humano, é dependente do seu balanço de energia, e a energia exigida pelas alterações fisiológicas durante a doença, representa uma exigência adicional nos sistemas de produção para a cura.

O segundo princípio, conservação da integridade estrutural, refere-se à manutenção ou recuperação da estrutura do corpo, ou seja, a prevenção do colapso físico e a promoção da cura. Em muitos casos conforme relata Levine, as pessoas estão expostas a fatores ameaçadores no meio ambiente para infligir ferimentos, o corpo processa um número de sistemas de defesa eficientes que o protegem da perda de fluídos, introdução de microorganismos, habilidade para locomoção, adaptações rápidas nas mudanças de temperaturas externas, umidade e outras. Somente o organismo intacto pode mover-se com liberdade e sem restrições no meio.

O terceiro princípio, conservação da integridade pessoal, refere-se à manutenção ou recuperação da identidade e auto-estima do paciente, sendo que para Levine o senso de identidade é a mais completa evidência de totalidade. Para a autora, existe sempre uma parcela da vida das pessoas que é dividida através de experiência comum, mas a decisão de dividir ou não é sempre uma expressão da privacidade de alguém, relata também que a entrada de uma pessoa no hospital tem sempre significado um sacrifício da integridade pessoal, outros tomarão decisões, que no passado o paciente fazia sozinho.

O último princípio, conservação da integridade social, consiste no reconhecimento do paciente como um ser social, envolve a interação humana, particularmente aquelas que são importantes ao paciente. Levine menciona que a doença é freqüentemente solitária, e nas horas estressantes, as interações com outras pessoas tornam-se mais importantes, não somente o paciente continua envolvido nas preocupações das outras pessoas, como também novos problemas com a hospitalização podem ser resolvidos pela participação de todos que são incluídos em sua vida social. Assim, as forças das relações humanas são necessárias e para Levine consiste falha não considerar a família e os amigos do paciente.Para Levine, conservação significa manter a unicidade ou equilíbrio adequado e o propósito da conservação é a manutenção da integridade da pessoa. Assim, considerando que o paciente submetido ao procedimento anestésico cirúrgico sofre mudanças bruscas em sua totalidade e requer uma adaptação favorável para o restabelecimento de seu estado de saúde, selecionamos este modelo para fundamentarmos nosso estudo.
Foco: Homem

Homem: Indivíduo como um todo dinâmico, em constante interação com o ambiente dinâmico

Saúde: Resposta sistêmicas do homem ao meio ambiente mantendo e defendendo o seu todo

Ambiente: As alterações internas e externas estimulam fisiologicamente os níveis de resposta
do organismo

Enfermagem: A ação da enfermeira é conservadora, procurando manter íntegros os mecanismos de defesa biológica fundamentais do indivíduo

terça-feira, 24 de março de 2009

Imogenes King - Teoria Alcance dos objetivos


King formou-se na base de enfermagem em 1945, formados a partir da St. John's Hospital of Nursing, em St. Louis. Mais tarde, ela obteve, em 1948 e 1957, respectivamente, a licenciatura em enfermagem e educação em enfermagem MS na St. Louis University.

Em 1961, seu doutorado em educação na Universidade de Columbia, em Nova Iorque. Ao longo de sua carreira ele teve várias posições: ensino, enfermagem e coordenador. Começou a desenvolver sua teoria, enquanto ele foi professor associado na Universidade Loyola. Usado um quadro conceptual para desenvolver um programa de Mestrado em Enfermagem. Em 1971, ele publicou "Hacia uma Teoria de Enfermagem: Conceitos gerais do comportamento humano", que se prolongou mais do que uma teoria, um quadro conceptual para ele. Mais tarde, em 1981, aperfeiçoou e publicou suas idéias em "A Teoria de Nursisng: Sistemas, Conceitos e Processos".

Propõe um quadro conceitual para sistemas abertos como a base de sua teoria. Joined os conceitos essenciais para a compreensão da enfermagem. A sua visão do processo de enfermagem, a ênfase em processos interpessoais. Baseado na sua teoria geral sobre a teoria de sistemas, a ciência do comportamento e do raciocínio dedutivo e indutivo. Uma crítica interna.

METAPARADIGMA. Pessoa: Ser social, emocional, racional, que percebida efeitos de controlo e de uma ação orientada para o tempo. Corrigir auto-conhecimento, participa nas decisões que afetam suas vidas e sua saúde e para aceitar ou recusar os cuidados de saúde. Tem três necessidades básicas de saúde: - Saúde e informação útil e oportuna. - Cuidados para evitar doenças. - Ajuda quando as exigências de auto não podem ser satisfeitas. Abra sistema com três subsistemas: pessoal, interpessoal e social.

Saúde: descrita como um ciclo dinâmico do ciclo de vida. A doença é considerada como uma interferência na continuidade do ciclo de vida. Envolvam adaptações ao estresse nos ambientes interno e externo, utilizando uma vida pessoal para alcançar óptimos. Saúde é vista como adaptações aos estressores do ambiente interno e externo, ajustes são feitos através da optimização da utilização dos recursos para maximizar seu potencial para a vida. É entendida como a capacidade de funcionar em papéis sociais.

Cenário: Não definido explicitamente, mas utiliza os termos ambiente interno e externo, na sua abordagem aos sistemas abertos. Pode ser interpretada como teoria de sistemas gerais de um sistema aberto com fronteiras permeáveis que permitem a troca de matéria, energia e informação.

Enfermagem: É a relação com o observável relação entre enfermeiro / cliente, cujo objetivo seria ajudar o indivíduo a manter a sua saúde e agir como papel adequado. É considerado como um processo interpessoal de ação, reação, interação e transação, as imperfeições da enfermeira e cliente influenciar o relacionamento. Promove, mantém e restaura a saúde, e os cuidados na doença, lesão, ou morrer um cliente. É uma profissão de serviço para satisfazer uma necessidade social. Envolve planejamento, execução e avaliação dos cuidados de enfermagem. E o enfermeiro encoraja o cliente a troca de informações sobre as suas percepções (se as percepções são exactos, a consecução dos objectivos, alcançar um crescimento e desenvolvimento, e os resultados da equipe de enfermagem, também será uma transação, se a enfermeira e o cliente percebido papel expectativas e consistente conduta, enquanto estresse se ocorrer um conflito papel). Utilizar uma abordagem orientada para o objetivo, em que os indivíduos interagem dentro de um sistema social.

A enfermeira traz conhecimento e habilidades específicas para o processo de enfermagem e o cliente leva o seu conhecimento e percepções. Revisão externa. Epistemologia: Segue um modelo indutivo. Indutivos práticas não define, portanto, não define o que é enfermagem. King, tentando definir a teoria a partir da realização dos objectivos, com base nos conceitos de competências pessoais e interpessoais, incluindo a interação, percepção, comunicação, o papel de compromisso, o stress, o crescimento e desenvolvimento, tempo e espaço. O hospital seria para ela, o estudo do comportamento e de comportamento com o objetivo de ajudar as pessoas a manterem a sua saúde, que lhes permitam desempenhar as suas funções sociais Parece, portanto, uma clara dependência das teorias da psicologia. Pressuposto do modelo. Assume interação enfermeiro / cliente. Fenômenos enfermeiros são operações que são variáveis dependentes da interação enfermeiro / cliente, levando à concretização de objetivos.
Foco: Cuidado do Ser Humano/Homem

Homem: O indivíduo constitui sistemas abertos, em constante interação com seu meio ambiente

Saúde: Experiências dinâmicas de vida de um ser humano que implicam ajustamentos contínuos a estressores, no ambiente interno e externo, através de uso adequado dos recursos próprios para alcançar o máximo potencial para a vida diária

Enfermagem: Estabelecer relação interpessoal, intergrupal e social para alcançar objetivos de saúde ou ajustamento aos problemas de saúde do indivíduo

domingo, 22 de março de 2009

Sistematização da Assistência de Enfermagem...O que é isso?

Imagine a Enfermagem apenas como uma arte de cuidar...Isto é verdade?
Bem, não podemos negar que a enfermagem tem o papel de cuidar, porém, nosso dever vai muito além disso.
A resolução 272 do COFEN, de 2002, determina que a implementação da SAE deve ocorrer em toda instituição de saúde púplica ou privada.
A Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE) é um método científico de trabalho que proporciona melhoria significativa da qualidade da Assistência prestada ao cliente através do planejamento individualizado das ações de Enfermagem elaboradas pelo profissional enfermeiro. O primeiro passo para a implementação da SAE é a escolha de uma teoria de enfermagem, que é usada para direcionar as demais etapas da sistematização da assistência. Após isto, é implementado o processo de enfermagem que é constituido por 5 etapas:

  1. Investigação
  2. Diagnósticos de enfermagem
  3. Planejamento dos resultados esperados
  4. Implementação da assistência de enfermagem
  5. Avaliação da assistência de enfermagem

Este processo fornece estrutura para a tomada de decisão durante a assistência de enfermagem, tornando-a mais científica e menos intuitiva. Ou seja, isto nos mostra mais do que nunca que a enfermagem é uma ciência muito além de apenas cuidar do paciente. Portanto enfermeiros, vamos fazer ciência e mostrar realmente do que somos capazes. Lembre-se: um hospital sem enfermagem simplesmente não funciona!

Fonte:
SAE - Sistematização da Assitência de Enfermagem: Guia Prático
Autoras: Meire Chucre Tannure e Ana Maria Pinheiro Gonçalves

=

sexta-feira, 20 de março de 2009

Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)

A Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE) é um método científico de trabalho que proporciona melhoria significativa da qualidade da Assistência prestada ao cliente através do planejamento individualizado das ações de Enfermagem elaboradas pelo profissional enfermeiro. Permite a continuidade e a integralidade do cuidado humanizado, a valorização do enfermeiro, além das demais categorias da Enfermagem, fortalecendo o trabalho em equipe. É preciso que haja, a partir da conscientização dos profissionais enfermeiros, a iniciativa por parte dos mesmos em buscarem,através de Instituições, condições necessárias para esta implantação.

A sistematização da assistência de enfermagem (SAE) “INFORMATIZADA” na prática nada mais é que o gerenciamento do cuidado. Portanto, o enfermeiro deve apoiar-se em conhecimentos científicos e práticos e aliá-los a noções de gerenciamento. Cabe ao enfermeiro conhecer sua unidade, sua equipe e o perfil de seus clientes. Deve priorizar o atendimento e planejar sua assistência. Embasados nas referencias de NANDA (North Amerrican Nursing Diagnosis Association)

*

Histórico de Enfermagem

1.1 IDENTIFICAÇÃO

Nome:____________________________Idade________Pront_________________ Nascimento ________________________________________________________________
Leito:____________Estado Civil_________________Nº de filhos(idade) ________________ Gênero _____________Escolaridade_______________________Etnia_________________
Profissão/Ocupação__________________________________________________________Naturalidade_____________________Procedência_________________________________Religião____________________________________________________________________
Cuidador em casa____________________________________________________________
Grupo sanguíneo _____________ fator Rh __________________

1.2 INFORMAÇÕES SOBRE A DOENÇA E TRATAMENTO

Motivo da internação: _________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Diagnóstico médico:__________________________________________________________

Doenças Crônicas:___________________________________________________________

Fatores de risco:_____________________________________________________________

Alergias a medicamentos:
( ) sim ( )Não especificar: _________________________________________

Tratamentos anteriores:

Cirurgias ( ) sim ( ) não

Outros Tratamentos _________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________


Antecedentes familiares:

( ) Cardiopatia ( )Hipertensão ( ) Diabetes ( ) Neoplasia
Outros________________________________________________________________ ( ) Cirurgias ______________________________ ( ) Alergias _____________________
( ) Outros_________________________________________________________________

Medicamentos em uso ______________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Exames de laboratório, diagnóstico por imagem e outros
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

O que o motivou a procurar a assistência?
__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

História da doença atual (tempo de surgimento, localização, duração, intensidade, agravamento, fatores relacionados)
____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

1.3 ASPECTOS SÓCIO-ECONÔMICO E CULTURAIS

Condições de moradia: ( ) área urbana ( ) rural ( ) casa, ( ) apartamento
( ) com saneamento básico
( ) sem saneamento básico
( ) animais domésticos? Quais:________________________________________________

1.4 HIGIENE:

Cuidado corporal: asseado___________________________________________________ Com roupa limpa____________________________________________________________ Falta asseio corporal_________________________________________________________ Cabelos___________________________________________________________________ Unhas_____________________________________________________________________ Higiene bucal_______________________________________________________________
Hábito em tomar banho no período: ( ) Manhã ( ) Tarde ( ) Noite.

Atividade física no trabalho: ( ) em pé ( ) sentado ( ) aposentado

Fumo: ( ) sim ( ) especificar quantidade/ dia e anos ______________________

Drogas: ( ) sim ( ) não

Álcool : ( ) sim ( ) não com que freqüência ________________________

Sono e repouso: ( ) não tem insônia ( ) apresenta dificuldade em conciliar o sono ( ) acorda várias vezes à noite ( ) sonolência ( ) dorme durante o dia ( ) Não tem insônia em casa e acorda várias vezes à noite no hospital
Dorme_____________horas por noite.

Exercícios físicos programados: ( ) exercícios aeróbicos ( ) musculação ( ) natação ( ) não faz exercício programado.
Faz exercício_____________vezes por semana.

Recreação e lazer: ( ) viagem ( ) cinema ( ) TV ( ) leitura ( ) jogos esportivos

Costuma comer com freqüência: ( ) frutas verduras ( ) cruas ( ) cozidas
carne: ( ) vermelha ( ) frango ( ) peixe
( ) suco ( ) água ( ) café ( ) chá ( ) leite. Costuma fazer_________________refeições por dia.

Eliminação urinária: ( ) normal ( ) menos de cinco vezes por dia ( ) polaciúria ( ) nictúria ( ) urgência miccional ( ) incontinência urinaria ( ) diminuição do jato urinário

Eliminações intestinais: ( ) normal ( ) obstipação ( ) diarréia ( ) mudança de habito intestinal. Freqüência__________________________________________

Ciclo menstrual: ( ) sem alterações ( ) menopausa ( ) dismenorréia
( ) amenorréia disfuncional.

Atividade sexual: ( ) desempenho satisfatório ( ) não satisfatório ( ) não tem relacionamento sexual.









quinta-feira, 19 de março de 2009

Enfermagem

Se você pretende seguir essa carreira, saiba que vai precisar de muita sensibilidade para cuidar dos outros, pois é esse profissional quem faz a ponte entre o paciente e seus familiares e todos os demais profissionais do hospital. Dependendo do estágio da carreira, suas atribuições não param por aí. Que o diga a enfermeira Deborah Oliveira de Carvalho, supervisora da Santa Casa de Misericórdia de Mococa, no interior de São Paulo. “Coordeno uma equipe com 40 funcionários, entre enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas, assistentes sociais e nutricionistas, e sou responsável por todas as áreas de enfermagem do hospital. Na minha função, é fundamental ter espírito de liderança e entender de gestão de pessoas e de processos”, diz ela. A carreira de enfermeiro, ressalta Deborah, exige uma série de sacrifícios. “Tenho folgas a cada quinze dias e estou sempre de sobreaviso, mesmo quando não é meu plantão. Tenho pouco tempo para me divertir e preciso ser criativa para conciliar o trabalho, a família e o lazer. Mas vale a pena porque gosto muito do que faço”, conta a profissional.

Indispensável em todos os setores de um hospital, da UTI à psiquiatria, passando pela pediatria, maternidade e cardiologia, o enfermeiro se preocupa com a qualidade de vida e a segurança dos pacientes. É sua função coletar dados sobre o estado dos doentes e ajudar a estabelecer o diagnóstico para auxiliar o corpo clínico sobre a conduta a ser seguida. Ele também é responsável pela higiene, alimentação e orientação do paciente, bem como pela administração de remédios e a aplicação de curativos. Pode atuar, ainda, na saúde coletiva, em campanhas de prevenção de doenças e realizando trabalhos educativos na comunidade.

MERCADO DE TRABALHO

O mercado de trabalho do profissional de Enfermagem tem passado por mudanças. “Aquela atuação tradicional, em hospitais, está muito difícil. O mercado está saturado pois há muitos cursos no país e a concorrência é grande”, diz José Luiz Tatagiba Lamas, coordenador do curso de Enfermagem da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), de São Paulo. A mudança, no entanto, não significa que a profissão passe por um momento ruim. “O enfermeiro tem de ser criativo e buscar alternativas. Hoje, por exemplo, há profissionais que trabalham em empresas de produtos hospitalares, apresentando as novida- des a outros enfermeiros e dando treinamento. Essa função não existia há poucos anos”, explica.

O envelhecimento da população brasileira também faz aumentar a procura pelo especialista em saúde da terceira idade para atuar em hospitais, clínicas e casas de repouso ou como autônomo. No estado de São Paulo, que abriga a maior rede hospitalar do país, há vagas em instituições filantrópicas e privadas. As oportunidades são maiores nas cidades do interior. O Programa Saúde da Família e o Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde (Pró-Saúde) também criam postos de trabalho para os enfermeiros em todo o Brasil. Como a política de saúde do governo federal tem dado maior ênfase aos investimentos na prevenção de doenças (desnutrição, doenças sexualmente transmissíveis, tratamento de gestantes, hipertensão e outras), nos últimos anos, os formados têm atuado principalmente na área de promoção da saúde e na emergência.

$ Salário médio inicial: R$ 1.500
O CURSO

As diretrizes estabelecidas pelo MEC em 2002 propuseram que a formação na graduação passasse a ter um caráter mais generalista, voltado para as necessidades de atenção primária, que é o trabalho do enfermeiro em ambulatórios, prontos-socorros e postos de saúde. O início do curso é marcado por disciplinas básicas da área das ciências biológicas, como anatomia, microbiologia, citologia, histologia e parasitologia. Também há matérias de administração e fundamentos de psicologia e de sociologia. Gradativamente, o aluno conhece os procedimentos técnicos e, no segundo ano, começa a
atender pacientes e a cuidar de enfermarias. O estágio é obrigatório, sempre supervisionado por enfermeiros e professores. No fim do curso – que dura, em média, quatro anos e meio –, é comum a exigência de um trabalho de conclusão.

O QUE VOCÊ PODE FAZER

Assessoria e consultoria
Auditar os procedimentos hospitalares de enfermagem e auxiliar na montagem de unidades de saúde.

Atendimento domiciliar
Cuidar de pacientes em sua residência, dando continuidade ao tratamento hospitalar. Auxiliar o paciente em exercícios terapêuticos e cuidar de sua higiene e de seu bem-estar.

Enfermagem geral
Comandar equipes de técnicos e auxiliares de enfermagem no atendimento a pacientes.

Enfermagem geriátrica
Atender idosos, doentes ou não, em domicílios, casas de repouso, clínicas e hospitais.

Enfermagem médico-cirúrgica
Ministrar cuidados pré e pós-operatórios em prontos-socorros, clínicas e hospitais.

Enfermagem obstétrica
Dar assistência integral a gestantes, parturientes e lactantes, acompanhando o pré-natal, realizando exames e auxiliando o médico no parto e no pós-parto. Dar orientações sobre planejamento familiar.

Enfermagem pediátrica
Acompanhar e avaliar o crescimento e o desenvolvimento da criança. Incentivar o aleitamento materno e orientar os pais quanto às técnicas e aos cuidados com os recém-nascidos.

Enfermagem psiquiátrica
Ajudar no tratamento de pacientes com distúrbios psicológicos.

Enfermagem de resgate
Participar de equipes de salvamento de vítimas de acidentes ou de calamidades públicas.

Enfermagem do trabalho
Dar atendimento ambulatorial em empresas e acompanhar programas de prevenção e manutenção da saúde dos funcionários.

Enfermagem de saúde pública
Orientar a população sobre a prevenção de doenças e promover a saúde da coletividade. Atender pacientes em hospitais, centros de saúde, creches e escolas. Formar, capacitar e supervisionar os agentes de saúde.

Fonte:

Política de privacidade

" O conteúdo das matérias desse portal é de caráter meramente ilustrativo e informativo. Nenhuma informação obtida a partir deste conteúdo , deverá substituir , do ponto de vista ético ou legal , a orientação de um médico ( ou de outro profissional da área da saúde ) , em relação aos aspéctos preventivos, diagnósticos e de tratamento , das diversas doenças ou condições clínicas " .

Não é finalidade deste portal a análise, comentário ou emissão de qualquer tipo de diagnóstico aos usuários, tarefa esta reservada unicamente ao seu respectivo médico de confiança, como também não é finalidade deste portal republicar artigos como sendo de minha própria autoria, ou mesmo para fins lucrativos, comerciais. Este site tem apenas a finalidade de transmitir informações interessantes a leigos e profissionais de saúde como forma de esclarecimento, dando sempre créditos aos seus autores, sem nenhum fins lucrativos.

Tenho referenciado todos os textos com autoria e fonte. Quando possível publico também o site e informações de contato do autor. Se você deseja usar algum texto publicado nesse portal, por favor, referencie. Informe com clareza a autoria e a fonte.






"O futuro pertence aqueles que acreditam na beleza de seus sonhos..."

"Amar ao próximo é amar a si mesmo." Fonte: médicos sem fronteiras.


So Enfermagem

.
Márcia Florêncio. Tecnologia do Blogger.